Fonética poética

Fonética poética

Pradarias não tem padarias!

Aranha não arranha!

A súbita alegria,

contrasta com a letargia.

Quem educa, não caduca.

O machado não és manchado.

Sentimentos como espuma;

recordações que se esfumam.

As paineiras são peneiras.

Tesão anda junto com tensão.

Baguetes depois do basquete,

hum que banquete!

Os dados são lançados

e os dados escancarados!

Lixo as vezes é luxo;

Luxo é sempre um lixo.

Nem ouvi o ovo ruir!

Simplesmente me calo

ante aos meus calos.

Há carinho pelo caminho,

Não existem lápis,

que possam riscar meus lapsos.

Destros já estiveram dentro.

Hipotenusa só escorre a chuva.

Marcelo F Carmo

Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on facebook
Facebook